4 de dez de 2011

A estrada dos tijolos amarelos

Esse medo de não ser suficiente é o que mata. Medo de não ser amada, de não ser aceita, de não ter amigos de verdade. Medo de ser traída, medo de ser tão solitária a ponto de chegar aos 32 anos morando sozinha em um apartamento cheio de gatos mimados. Medo de morrer sem fazer falta. Medo de não fazer a diferença. Medo de ser invisível. 
Há tantas coisas para mostrar, há tanto dentro de mim, mas será que alguém quer ver? Eu duvido. O fato é que preciso arranjar coragem de mostrar quem eu sou, e se não gostarem, bem, paciência. É a vida - ela é cruel e injusta muitas vezes, mas pode ser encantadora. Basta escolher o caminho certo. 

O problema é que não sabemos qual caminho é o certo. Somos colocados na vida sem nenhuma explicação. Ninguém nos deu um manual, ninguém nos apresentou às regras do jogo. E de repente nos vemos com 18 anos, escola terminada e as pessoas te pressionando para arranjar um emprego e fazer algo de útil pela vida. Mas calma aí, as coisas não precisam ser assim. Porque apesar do medo de seguir em frente ser grande, precisamos seguir: é o curso natural da vida. Mas com calma, com muita reflexão e sem ser manipulado por ninguém. 
O medo é algo bom quando usado de forma sábia. Será que o medo que temos é do desconhecido ou de nós mesmos? 
6a00d8341cccb453ef0154372c80e9970c-640wi_large

A partir de hoje irei postar nesse blog coisas mais íntimas, de dentro de mim, porque sinto que o Wink! saiu um pouco do contexto de diário virtual então eu começarei a usar esse, porque eu preciso de um espaço para falar sobre o que eu sinto, é necessário. Sintam-se livres para seguir ou não. De qualquer forma, espero que gostem dessa minha mistura doce azeda de ver a vida. Kisses. 

3 comentários:

Mylla disse...

Quando vi o endereço desse teu blog fiquei preocupada que tivesse acontecido alguma coisa com o Wink!, mas que bom que ele continua firme e forte. :)

Mesmo que eu tenha só um pouco mais de dezoito anos, posso te dizer que é tudo uma questão de calma. Se tu se sente muito pressionada, dá uma filtrada no que as pessoas te dizem. Somos bem novos pra definir toda a nossa a vida agora e tenho certeza de que já te disseram isso antes.

E não precisa ter medo, querida. :)
Medo só faz a gente desistir de tentar, de experimentar, de se permitir. A vida não tem manual, mesmo, então as coisas precisam ter testadas e consideradas. Aos poucos a gente consegue separar aquilo que é bom pra gente do que não é. E vai seguindo em frente.

Ok, divaguei demais aqui, HAHAHA.

Melhoras, sua linda. :*

http://hey-london.blogspot.com

Ana Paula Ribeiro disse...

Mia, o medo por vez nos atrasa, mas depende de nós dar ouvidos a ele ou não. Eu por exemplo, sou um poço de medos, e confesso que em minha maior parte ele domina, mas ainda sim há um lado corajoso e pronto para seguir de forma guerreira e em busca dos objetivos. Depende de nós, sempre.
Adorei este espaço, acredito que todos nós deveriamos dar mais espaço para desabafos, pois é desabafando que se consegue lidar com o problema. Seguindo, pois me adentifiquei com isto, com o texto, com suas palavras.

Beijos querida.
http://ribeiroap.blogspot.com/

@ilovetubes disse...

eu não sei falar muito bm de textos lindos como o seu. a única coisa mesmo é que eu gostei ..
estou indo seguir, se poder retribui.. :D
www.segredosadolescentes.blogspot.com